full screen background image
Drag reading a book

Carta de uma jovem revisora a um autor novato

Querido autor(a),

Como vai você? Espero que muito bem, escrevendo suas coisinhas, publicando nos blogs, Wattpads, Amazons e LêLivros da vida…

Pois bem, antes de mais nada, vou me apresentar. Oi, eu sou a Clara. Sou uma jovem revisora. Sou formada em Letras, estudei bastante para chegar onde cheguei e tenho um portfólio com dezenas de obras revisadas, várias em formato físico. Mas não pense que isso signifique alguma coisa: não significa. Eu ainda tenho muito o que estudar, ler, pesquisar, meu trabalho não acaba nunca!

Aí você me pergunta:

Tá, Clara, e o que eu tenho a ver com isso?“.

E eu respondo:

Calma, pessoa nervosa! Eu vou chegar lá!“.

Sabe? Quando eu estava cursando Letras, vi muitos discursos esquisitos sobre o que uma pessoa precisa para ser considerada ou não uma autora. Confesso, eu mesma reproduzi alguns, como “não basta jogar palavras no Word e achar que é um autor“, ou “Literatura não é só saber gramática, tem que ter o dom da escrita!!” ou o contrário, “Literatura não é só saber contar história, tem que saber gramática!!“.

Pois é. Quanta bobagem, né?

Sim, querido autor, muita bobagem, na minha humilde opinião, é claro. Essa ideia de que existe um dom supremo, uma qualidade enviada diretamente dos céus para você, querido autor, é uma visão tão teleológica e tão, mas tão excludente!!

Como assim, Clara?? Tá dizendo que não precisa estudar, que qualquer um pode ser autor??

Não, não é isso. A escrita é uma arte e, como toda arte, precisa ser trabalhada. Do mesmo modo que um médico, um professor e, no meu caso, um revisor precisam sempre se atualizar, estudar, pesquisar, o autor também. Precisa estudar a parte estrutural da escrita, mas também precisa pensar na semântica. Precisa ler, ler, ler, escrever, escrever, escrever. Mas não como aqueles cadernos de caligrafia, só reproduzir algo, mas sim… imergir naquelas leituras e nas escritas. Se renovar, trabalhar, suar a camisa e encher os dedos de bolhas.

E o que seriam esses estudos, essas leituras? Aí, não posso te responder, querido autor. Seria uma, me perdoe a expressão, cagação de regra bem grande. Talvez, para alguns, o melhor modo de aprimorar sua escrita seja lendo clássicos. Para outros, ler gramáticas. Para além destes, ler dicas de autores consagrados, como o Stephen King, por exemplo. Você, querido autor, precisa encontrar o seu método de estudo, o que é melhor para você e, principalmente, aceitar as críticas. Humildade é sempre bom e faz bem para nossos livros!

Mas, sim, respondendo sua segunda pergunta, eu realmente creio que praticamente qualquer um possa ser autor. Não há mistério nisso, gente. Autor é aquele que escreve. Simples assim.

Ah, mas espera, Clara, tem tanta porcaria por aí!! Vai me dizer que os livros de youtubers tornam os youtubers autores??

Uai, se foram eles quem escreveram, sim!!

Mas é tudo uma porcaria!

Para você, sim. Para muitos leitores, não. E é essa a diferença. Cada leitor é uma pessoa diferente, com gostos, vivências, experiências e desejos distintos. Machado de Assis é tão best-seller quanto Paulo Coelho e E.L. James. O que vai definir qual desses é o melhor?

A qualidade da escrita!!

Não, o leitor. Quem nunca viu um filme massacrado pela crítica, mas que arrancou boas risadas? Quem nunca se apaixonou por uma pessoa que muitos consideram feio, mas que, para você, era a pessoa mais linda do mundo? Quem nunca comeu um doce que todos odiavam, mas que era delicioso, na sua opinião? Gosto é gosto, gente.

Eu ADORO colocar maionese na pizza, meu marido acha nojento, mas, por outro lado, ele gosta de enfiar batatas fritas no sorvete. Ou seja, é tudo uma questão de opinião. Uma pessoa pode achar lindo o que outra acha horrível! A mesma coisa acontece com os livros. Um leitor pode achar perfeito um livro que um crítico literário achou uma porcaria!

Mas, atenção para o que eu já disse antes e que vou enfatizar:

bom autor

 

TEM. QUE. TRABALHAR! Como diria Mama RuPaul, YOU BETTER WORK!

“Estou confuso, Clara”

Não fique, querido autor, que, por algum motivo esquisito, está conseguindo responder minha carta à medida que eu escrevo. O que eu quero dizer com isso é: ESCREVA. SE DIVIRTA. VIVA A ESCRITA. SAIA DO ARMÁRIO. BRINQUE. SEJA O AUTOR QUE VOCÊ QUER SER. SE DEDIQUE. ACEITE CRÍTICAS. BUSQUE CRÍTICAS. TRABALHE COM SEUS TEXTOS!

rupaul you better work

Nada cai do céu, querido autor. Escrita exige dedicação, paciência e boa vontade com as críticas que com certeza virão. Tudo é um aprendizado, ninguém nasce sabendo.

O mesmo eu digo para o seu lado leitor: pare de ser tão negativo! Pare de dizer que só tem livro porcaria na Saraiva ou que a Literatura Brasileira está respirando por aparelhos! Isso não ajuda ninguém! Só enche as timelines de coisas negativas e apaga os livros nacionais maravilhosos que tem por aí!

Tem mais gente lendo e mais gente escrevendo, querido autor/leitor. Só isso, já deveria ser suficiente para abrir muitos sorrisos na cara de todos os brasileiros. O resto, a gente aprende. No mais, é para isso que nós, revisores, servimos. Para dar aquela força, uai!

Como assim, Clara?

Ué, querido autor, se eu fosse listar para você alguns dos livros que revisei que são incríveis, incríveis mesmo, com história gostosa, divertida, envolvente, mas que precisavam muito de uma revisão, você ia ficar impressionado! A história era ótima, mas havia probleminhas que só um revisor consegue enxergar. É normal, somos “treinados” para isso!

E é exatamente por eu já ter passado por esses livros, que te digo: não desista. Não fique magoado com críticas. Use-as ao seu favor e leia, leia bastante!

Lembre-se, querido autor: se você não amar o que escreve, como diabos vai fazer outras pessoas amarem?

Posso ouvir um amém aqui?

rupaul amen

Agora vá escrever!

Beijinhos,

Clara Taveira



Revisora, autora, embaixadora do Wattpad, professora de português, Kindle-lover, apaixonada por livros indies, autores nacionais, Kimbra, 30STM, Brandon Jay McLaren e RuPaul's Drag Race. Escrevia sob o pseudônimo de Sissy Walker, mas decidiu sair do armário e assumir a autoria de seu primeiro romance, "Lena - Abrindo as Asas".