full screen background image
Versão colorida de ilustração de John Tenniel para "As Aventuras de Alice no País das Maravilhas"

Alice faz 150 anos e editoras preparam lançamentos

Quem nunca ouviu a história da menina chamada Alice que, ao avistar o Coelho Branco vestindo um colete e olhando apressado para seu relógio, segue-o e cai em sua toca, onde é transportada para um mundo mágico e, assim, conhece o Gato de Cheshire, o Chapeleiro Maluco, a Rainha de Copas (CORTEM-LHE A CABEÇA!!!) e outros personagens peculiares?

Alice no País das Maravilhas (Alice’s Adventures in Wonderland em inglês, normalmente abreviado para Alice in Wonderland), escrito por Charles Lutwidge Dodgson sob o pseudônimo de Lewis Carroll, completará 150 anos de sua primeira publicação no dia 4 de julho e, para comemorar a data, editoras estão programando algumas novidades relacionadas à esta obra.

Para começar, a Cosac Naify lançará um box contendo sua edição já esgotada de Alice no País das Maravilhas, ilustrada por Luis Zerbini e lançada originalmente em 2009, e uma versão inédita de Alice Através do Espelho, com ilustrações de Rosângela Rennó. Esta última, lançada em 1871, é continuação do clássico e é ambientada em um jogo de xadrez, onde os personagens agem como as peças do jogo e o cenário é igual ao tabuleiro do jogo.

Ilustrações de Adriana Peliano para a edição que reúne “Alice no País das Maravilhas” e “Através do Espelho e o que Alice Encontrou por Lá”, da editora Zahar

A Zahar vem com um lançamento semelhante, porém em edição única, de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho e o que Alice Encontrou por Lá, o segundo contando com um episódio extra: O Marimbondo de Peruca. As ilustrações e o depoimento que acompanha o texto de Carroll é de Adriana Peliano, presidente da Sociedade Lewis Carroll do Brasil.

A importância de Alice sempre se renova, seja na arte, na cultura, nas viagens da imaginação… Ela atravessa o surrealismo, a psicanálise, a filosofia, a física quântica, a semiótica, a psicodelia, desafiando nossa necessidade de interpretar, explicar e enquadrar o mundo em categorias e conceitos preestabelecidos.

Adriana Peliano, presidente da Sociedade Lewis Carroll do Brasil

Trecho da HQ “Rocky no País das Maravilhas”, de Adão Iturrusgarai

Já a Zarabatana Books lança uma edição de Rocky & Hudson  — Os Cowboys Gays, de Adão Iturrusgarai, onde um capítulo, intitulado Rocky no País das Maravilhas, mostrará o Cowboy no mundo de Alice e interagindo com os personagens criados por Carroll.

Ball Jointed Alice, de Priscila Matsumoto, lançado pela Editora Draco, conta a história de Frank que, após acordar de uma ressaca, escuta uma boneca chamada Alice dar-lhe bom dia. Tal acontecimento é um chamado para o protagonista reviver toda a insanidade que havia sido deixada no passado e reencontrar companheiros de um manicômio que ele fugiu.

Com uma abordagem empresarial, a Senac lança Atitude Empreendedora: Descubra com Alice Seu País das Maravilhas, de Mara Sampaio. O livro busca desenvolver o empreendedorismo em funcionários e empresários, através das aventuras de Alice.

Capa do livro “Atitude Empreendedora – Descubra com Alice Seu País das Maravilhas”

Voltado para o público infantil, a Galerinha, do Grupo Editorial Record, vem com A Pequena Alice no País das Maravilhas, com tradução de Marina Colasanti e ilustrações de Emmanuel Polanco. Esta versão foi feita pelo próprio Carroll, para que o livro pudesse ser “manuseado, babado, ter as páginas dobradas, ser amarfanhado, beijado por aqueles pequenos iletrados, desconhecedores da gramática, aqueles Queridos, cheios de covinhas, que enchem o Quarto de feliz algazarra, e o nosso coração de apaziguada alegria!”, conforme descrito no prefácio pelo autor, referindo-se a crianças com até 5 anos de idade.



Raniere Sofia, 33 anos, criador da Encontros Literários, leonino, nascido em Angra dos Reis, morador do Rio de Janeiro, vascaíno, escritor, estudante de Estatística na UERJ, fã de Stephen King, Tolkien, Star Wars, Marvel, C.S. Lewis, Douglas Adams, e Doctor Who (começou a acompanhar a série clássica em 2014). Leitor compulsivo e cinéfilo.