full screen background image
20160506_130000

Nem a sombra de Mr. Hyde

O livro Hyde, do escritor Daniel Levine, lançado em 2016 pela Editora Record, trata-se releitura de uma das mais grandiosas obras da literatura mundial. Levine se propõe a recontar – não que já não tenham feito isso muitas vezes no decorrer das décadas – a história contada por Robert Louis Steveson em 1941 (resenha AQUI), dessa vez a partir da perspectiva do próprio Mr. Hyde!

 

A edição maravilhosa da Record traz ainda a história original no fim do livro, o que só deixa as coisas mais interessantes. A ideia de Daniel, como dito em algum momento do livro, era fazer uma contraparte da história, no sentido de que se colocadas uma sobre a outa – as duas histórias –, ambas pudessem completar as lacunas uma da outra; afinal de contas devemos concordar que a história de Robert Louis Steveson há diversas lacunas – não que isso seja uma crítica, inclusive acredito que seja proposital, afinal de contas estamos falando de uma história de mistério.

 

Foi apoderando-se dessas lacunas que Daniel Levine resolveu ir além daquela história clássica que todos conhecemos, e resolveu nos colocar mais uma vez na mente de Mr. Hyde.

 

Uma ideia muito boa, mas a execução deixou muito a desejar. Daniel tentou transformar Hyde num herói, colocando o Dr. Jekyll como o monstro da história. A história toda foi recontada pela visão do próprio Mr. Hyde, como já dito anteriormente, mas em momento algum as tribulações do mesmo me convenceram, sequer afetaram. Daniel transformou uma história já fantasiosa em outra fantasia em níveis ainda mais absurdos, o que tornou difícil comprar a história.

 

O início me agradou bastante pois trouxe toda aquela aura sombria contruída por Robert Louis Steveson no seu clássico. Ainda mais por Levine dar a toda hora leves pinceladas da obra do mestre Steveson, seja com lugares-comum, detalhes, personagens, etc.

 

Acredito, entretanto, que essa minha visão não deve ser generalizada. O livro vale muito à pena pelo original que se encontra no fim – que não preciso nem falar se tratar de uma obra de arte de primeira –, tanto para que o leitor tenha suas próprias impressões e decida qual versão de Mr. Hyde prefere – o assassino cruel e hedonista, a contraparte maligna de cada um de nós, idealizada por Robert Louis Steveson, ou o herói injustiçado e enfadonho de Daniel Levine?

Ficha técnica:

Título: Hyde
Título original: Hyde
Autor: Daniel Levine
Editora: Record
Formato: Brochura
Edição: 1º
Ano de copyright: 2014
Ano da edição: 2016
Número de páginas: 434
Tradução: Ana Julia Perrotti-Garcia
ISBN: 978-85-01-10689-6



Graduando em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC); Fã de Stephen King e Oscar Wilde, mantenho ainda vivo o sonho de escrever profissionalmente; Amante de cinema, séries, quadrinhos e músicas. Descobri na arte uma forma de suportar a vida.