full screen background image
sangue magico

Sangue Mágico — um livro sujo, irônico e violento

author1lg (1)

Ilona Andrews é o pseudônimo para uma dupla de escritores, formada por marido e mulher. Ilona nasceu na Rússia e Gordon é ex-sargento de comunicações do exército americano. Ao contrário da crença poular, Gordon nunca foi oficial da inteligência com licença para matar e nem Ilona a misteriosa espiã russa que o seduziu. Eles se conheceram na faculdade, na aula de Introdução à Redação, onde Ilona tirou uma nota melhor. (Gordon ainda se sente mal por isso.) Gordon e Ilona atualmente residem em Oregon com seus dois filhos, três cães e um gato. Eles dividem a coautoria de duas séries, a fantasia urbana best-seller de Kate Daniels e a fantasia urbana romântica “The Edge”. (Fonte: Saída de Emergência Brasil)

Eu esperava uma fantasia urbana com uma heroína clássica, fiel aos seus valores mais virtuosos, que lutasse contra um mal supremo. Em outras palavras, esperava a clássica batalha épica do bem contra o mal. Não foi isso que encontrei em Sangue Mágico. Ao invés disso, o que li foi uma história suja, irônica, onde a heroína, Kate Daniels, não tem todos os valores honrosos e dignos que costumamos encontrar em histórias de fantasia.

 

Kate é uma mercenária que faz de tudo para não ser notada. Ao descobrir que seu mentor foi assassinado, ela se une à Ordem dos Cavaleiros da Ajuda Misericordiosa. Tal investigação fará Kate se envolver em uma perigosa conspiração que poderá resultar em uma guerra sem precedentes.

 

Sangue Mágico é ambientado, principalmente, na cidade de Atlanta. É normal, em histórias fantásticas, a magia do mundo estar acabando. Na série Kate Daniels, a magia está no seu auge. Picos de magia destroem edifícios enormes e fazem toda a tecnologia do mundo deixar de funcionar.

 

Neste universo, criado pelo casal que deu origem ao pseudônimo Ilona Andrews, o mundo é repleto de matadores de aluguel, vampiros, necromantes e metamorfos. Os metamorfos não são necessariamente lobisomens; cada indivíduo pode se transformar em um animal característico, e eles são leais ao seu grupo.

11743689_1440222659636515_973751048_o

“Sangue Mágico”, de Ilona Andrews. Saída de Emergência, 2015.

Os dois primeiros capítulos de Sangue Mágico são um pouco cansativos e dão uma impressão forçada. Mas a partir do capítulo 3, a história ganha um ritmo alucinante. Além de prender o leitor em uma trama muito bem construída, o livro, entre cenas de acção eletrizante, consegue arrancar algumas risadas do leitor. E os personagens, ma grande maioria de caráter dúbio, são fortes e cativantes.

 

Sangue Mágico tem apenas 256 páginas, e muitos leitores podem pensar que o livro é muito curto e que, talvez, não precisasse ser uma série; eu pensei isso. Mas não, Ilona Andrews soube o momento exato de terminar o volume; o final deixa a expectativa que um “primeiro volume” precisa causar no leitor. Ao contrário de muitos autores (consagrados ou não), Ilona Andrews acertou em cheio neste quesito.

Enfim, se o leitor gosta de personagens com caráter duvidoso e de um senso de humor irônico, Sangue Mágico é o livro certo pra ele. Recomendadíssimo!

Ficha técnica:

Título: Sangue Mágico
Título original: Magic Bites
Série: Kate Daniels
Autor: Ilona Andrews
Editora: Saída de Emergência
Capa: Brochura
Edição: 1º
Ano: 2015
Número de páginas: 256
Tradução: Flávia de Lavor
ISBN: 978-85-67296-32-6

 



Raniere Sofia, 33 anos, criador da Encontros Literários, leonino, nascido em Angra dos Reis, morador do Rio de Janeiro, vascaíno, escritor, estudante de Estatística na UERJ, fã de Stephen King, Tolkien, Star Wars, Marvel, C.S. Lewis, Douglas Adams, e Doctor Who (começou a acompanhar a série clássica em 2014). Leitor compulsivo e cinéfilo.