full screen background image
fsd

Uma decisão arriscada e de coração em “Mais Uma Chance”

Após Grant descobrir sobre a doença cardíaca de Harlow e ter uma reação não muito boa, Harlow foge para a casa do meio-irmão Mase, onde se refugia aos cuidados de   Maryann, a senhora carinhosa e mãe de Mase. E para agravar a situação, Harlow está grávida, e sabe que Grant implorará para que aborte. Ele não pode viver sem ela, nem mesmo por um bebê. E ela tem certeza que não pode viver sem o bebê. Eles criaram uma conexão única, e jamais ela abriria mão dele, nem mesmo pela sua própria vida.

Os capítulos são alternados pela narração de Grant e de Harlow. Ás vezes, temos também de Mase e Kit, o pai de Harlow. Os meses que Grant passa longe da amada são arrastados, mandando mensagem todo dia para ela, na esperança que finalmente atenda e o deixe ouvir a sua voz. Era tudo o que ele queria.

Então, Rush e Blaire contam sobre a gravidez. Grant está decidido: Não vai permitir que ela tenha o filho. Mas quando enfim se reencontra com Harlow, o brilho nos olhos dela ao falar sobre o bebê, todos os cuidados que está tomando… Ele hesita. Ele não quer tirar aquela felicidade dela, e sabe que nesse momento tão delicado, o que ela mais precisa é do seu apoio, não de discussões.

– Se você acordar e isto for um sonho, ligue para mim. Eu virei correndo. Juro – falou Grant, segurando minha mão e dando um beijo na palma. – Tudo o que você precisa fazer é me ligar. Eu largo o que for para estar com você.

Esse volume foi decepcionante e previsível. A obra inteira se concentra na gravidez de Harlow e no perigo que ela corre de morrer. A parte mais emocionante são as cartas que ela escreve para o filho, pra caso ela não resista ao parto. Nós cogitamos a possibilidade, e isso deixa o leitor envolvido, torcendo por um final feliz.

O amor do casal já é concretizado no primeiro volume, que eu gostei bastante, já que sempre admirei a personalidade de Harlow. Esse segundo tem muita melação, além das cenas picantes de praxe.

E podem ter certeza que Rosemary Beach não tem fim. Nesse livro, aparecem outros personagens e logo dá pra perceber quem vão ser os protagonistas dos próximos livros. E não duvido que ela ainda vá acrescentar mais casais, viu. A ideia da autora é boa, mas se estender muito, vai começar a ficar chato. Eu amei a história de Rush e Blaire, e depois disso fui desanimando, porque a base da história é sempre a mesma, o que me leva a outro fator:

Que insuportável os machos alfa dessa série! Meu Deus, a Abbi tenta ao máximo apresentar suas personagens femininas sendo fortes e independentes, mas não dá! Não dá, porque a partir do segundo em que eles entram em cena, elas viram a bonequinha que eles tem de tomar conta. E isso por escolha deles. É tanta possessividade que, sério, irrita, demais. Não sei como uma mulher suportaria aquilo. Um homem não pode dirigir a palavra a elas que o macho já vem com a pompa toda pra cima. É um absurdo. Existem muitas formas de um homem demonstrar o amor e, definitivamente, essa já tá batida, Abbi.

Apesar de tudo, não é um livro ruim. É daqueles que você pega pra se distrair e o tempo voa. A editora também fez um trabalho impecável, acho que passei meia hora agarrada no livro só pelo cheirinho que tava quando chegou hahaha.

 

FICHA TÉCNICA:

Título: Mais Uma Chance
Título Original: One More Chance
Série: Rosemary Beach #8, Chance #2
Autor: Abbi Glines
Editora: Arqueiro
Capa: Brochura
Ano: 2016
Páginas: 288
Tradução: Cássia Zanon
ISBN: 978-85-8041-483-7

 



Carolina Rodrigues, 20 anos, mora em Santos e cursa faculdade de Biomedicina. Adora dançar e ir pra praia, mas o que a faz realmente feliz é poder passar um dia inteiro lendo, vendo séries, escrevendo ou ouvindo música.